terça-feira, 19 de abril de 2011

Leia a Bíblia!


A leitura da Bíblia é algo que deve ser feito diariamente. Assim como alimentamos o nosso corpo com comida, a Palavra de Deus é alimento para o nosso Espírito. A Bíblia não é resultado do intelecto humano, pois foi o próprio Deus que ''soprou'' cada palavra contida nas Escrituras. Ela é ''inspirada por Deus e e útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver'' (2ª Tm 3.16)
Deus fala conosco através da Palavra! Ler a Bíblia não é algo a fazer apenas quando estamos precisando de ajuda ou buscando resposta, mas em TODO o tempo!
E para que entendamos as Escrituras precisamos pedir a Deus que o nosso entendimento seja aberto e assim recebamos a mensagem da maneira certa. A partir do momento que começamos a meditar na Palavra, um canal de comunicação é estabelecido com o Senhor. Já não somos mais as mesmas pessoas de antes, Deus vai abrindo nossos olhos espirituais e mudando nosso modo de pensar, falar e agir. Juntamente com a oração, a leitura da Palavra nos aproxima do Pai, aumentando nossa intimidade com Ele.

   ''A tua palavra é lâmpada para guiar os meus passos, é luz que ilumina o meu caminho.'' Sl 119.105

11 comentários:

Anônimo disse...

Ler a Bíblia?

Gostaria que meu comentário não fosse descartado, pois acho que uma boa discussão sempre é construtiva, mesmo quando a pessoa se opõe ao nosso ponto de vista.

A Bíblia, é um livro escrito, majoritariamente, durante o cativeiro babilônico. Seus livros são uma junção de mitos judaicos antigos, a única forma de os antigos compreenderem o universo e suas origens.

Tomar esse livro como referência hoje em dia, e eu diria principalmente o Velho Testamento, é algo irracional e imoral.

O Deus do Velho Testamento é certamente o personagem mais desagradável de toda a ficção: ciumento, e com orgulho; controlador, mesquinho, injusto e intransigente; genocida étnico e vingativo, sedento de sangue; perseguidor misógeno, homofóbico, racista, infanticida, filicida, pestilento, megalomaníaco, sadomasoquista e malévolo.

Claro que Jesus é um grande salto em termos morais, bem melhor que o odioso Javé do AT. Mas mesmo assim devíamos nos perguntar o motivo de em pleno século XXI adorarmos um livro que contém essas coisas.

Aceitar a Bíblia como a palavra divina é jogar a razão e o bom senso pela janela, dando lugar a ignorância e certezas infantis.

Espero ter esclarecido minhas ideias, espero ansiosamente uma resposta.

ABS

juugrasel / gabijacomini disse...

Sabe que este comentário deixa nós, cristãos, que temos a plena certeza da verdade da Bíblia, muito felizes...pelo simples fato de haver nela avisos de que no fim dos tempos, o qual tu já deve saber a que me refiro (pois parece já ter lido, pelo menos, todo o velho testamento) teriam pessoas, ou melhor, falsos mestres que TENTARIAM desmentir a Bíblia... que benção, mais uma das verdades encontradas na Biblia se cumprindo. E graças a Deus, meu irmão ou irmã, pela tua vida, pois tenho certeza de que os teus olhos serão abertos para a realidade bíblica e tu será uma benção na vida de muitas pessoas, em nome de Jesus. Como tu já deve saber, o apóstolo Paulo era perseguidor dos cristãos e depois viveu para o inteiro agrado de Deus.

" (...) a palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus." ! 1 Coríntios 1.18

Deus te abençoe. Abraço

Anônimo disse...

Bom, o tão aclamado "Fim dos Tempos" ou Apocalipse, é esperado há pelo menos 2000 anos. Desde a época em que Jesus morreu as pessoas interpretam os ditos "sinais" como bem entendem. Sinais estes que não são lá grande coisa, pois sempre ocorreram... guerras, terremotos, maremotos, fome, ódio, etc; os referidos sinais são apenas um resumo do que é ser humano, do que é pertencer a nossa espécie. Sempre haverá guerras e fome, e os homens sempre serão maus, mas isso não significa que Jesus irá descer numa nuvem voadora para castigar a Terra com fogo. (O que eu acho até meio contraditório com o Jesus bondoso que lemos no Novo Testamento).

E sobre "desmentir" a Bíblia... Bem, ela faz isso por si mesma. Não existe um único teólogo respeitável que aceite o livro de Gênesis, por exemplo. Ele é o que é: um mito. As pessoas tentam torná-lo e tomá-lo como um registro literal do que aconteceu, mas não existe mais verdade nele do que nos mitos indígenas sobre a criação do universo.

Diga que você acredita que a Terra tem 6000 anos, fale em Arca de Nóe ou Torre de Babel, e eu garanto que as pessoas tomarão isso como no mínimo um insulto a razão.

Nós temos nomes para as pessoas que tem crenças para as quais não há justificativa racional. Quando suas crenças são extremamente comuns, nós as chamamos de "religiosas"; nos outros casos, elas provavelmente serão chamadas de "loucas", "psicóticas" ou delirantes. As pessoas reliosas podem não ser generalizadamente loucas, mas suas crenças absolutamente o são.

Olhe, eu não sou perseguidor dos cristãos, porque eu realmente acho Jesus Cristo um personagem fantástico. Mas para seguir seu exemplo, eu não preciso tomar a Bíblia como literal, e nem como um livro que contenha fatos. Cristo foi um revolucionário, foi um rebelde, ele não veio viver uma série de regras estúpidas escritas em um livro antigo, ele nos mostrou como o amor pode mudar as pessoas e o mundo.

Porém, é claro que a instituição com maior poder na época (A Igreja Católica) divinizou esse grande homem para poder afirmar seu poder. Além de divinizá-lo ainda escolheu todos os livros que compõem sua Bíblia. Existem milhares de outros relatos que foram tirados da versão atual da Bíblia, simplesmente porque ensinava a história real, ensinava algo que essa Igreja não queria que as pessoas soubessem (foi o famoso Concílio de Nicéia, caso se interessa em pesquisar).

No final das contas é isso, você pode crer que o Papai Noel existe de uma maneira muito forte, pode ser uma adoradora do Papai Noel, dar sua vida pela causa ou projeto do Papai Noel, mas isso não muda a sua não-existência.

E, por favor, tente contra-argumentar ao invés de ficar fazendo profecias sobre meu destino. Não adianta dizer que estou errado sem apontar onde isso tem sua justificação.

abs

Jônatha Bittencourt disse...

É fascinante observar a verídica inspiração divina contida em cada detalhe da Bíblia - que o diga quem experimentou sua expressão poderosa de restauração.

Uma biblioteca (como o próprio nome é atribuído à variedade de livros) composta por 66 livros; sob autoria de, aproximadamente, 40 pessoas; escrita num período de 1600 anos - só o Antigo Testamento levou aproximadamente 1000 anos para ser concluído.

Autores diferentes, inúmeras personalidades, contextos diversos, pessoas separadas no tempo escrevendo coisas que depois foram unidas num livro*. Qual a possibilidade de fazer algum sentido, sendo levadas em conta todas as barreiras a pouco expostas?

Aí podemos perceber a mão de Deus supervisionando cada caractere.

Diferentemente de toda e qualquer obra acadêmica, ela tem resistido à variação temporal**, sem precisar de reedições para adaptar os seus textos aos contextos.

Como sabemos, a Palavra de Deus apresenta uma ligação indestrutível desde o início ao seu fim. Cada livro do Antigo Testamento, como uma sombra do que haveria de vir, aponta para a substância, a vinda de Cristo e a redenção do homem - Novo Testamento.

Sem minimizar os fatos que comprovam a veracidade dessas páginas que podemos ter em nossas mãos, não podemos esquecer de que, acima de tudo, a questão principal é termos fé. O que está escrito deve ser recebido por fé - o que não não quer dizer que não haja ligação histórico-científica etc (e que há, de fato).

O mais surpreendente é que comparar Deus a um ser "ciumento, e com orgulho; controlador, mesquinho, injusto e intransigente; genocida étnico e vingativo, sedento de sangue; perseguidor misógeno, homofóbico, racista, infanticida, filicida, pestilento, megalomaníaco, sadomasoquista e malévolo", afirmando que Jesus (Novo Testamento) "é um grande salto em termos morais", torna-se um equívoco tremendo se o "objeto de pesquisa" passa a ser analisado detalhadamente.

Jônatha Bittencourt disse...

"devíamos nos perguntar o motivo de em pleno século XXI adorarmos um livro que contém essas coisas"

Deveríamos nos perguntar sobre nossa condição sem Cristo e as suas palavras. De fato, seguir as verdades ensinadas na Bíblia se tornam cada vez mais eficazes à medida que comprovam sua vitalidade. Deus não se preocupou em deixar Suas palavras registradas para satisfazer curiosidades, mas para que, de fato, pudéssemos nos reconciliar com Ele através de Seu Filho. Jesus disse: "Eu e o Pai somos um" (João 10:30); "Se não faço as obras de meu Pai, não me acrediteis; mas, se faço, e não me credes, crede nas obras; para que possais saber e compreender que o Pai está em mim, e eu estou no Pai." (Jo 10:37,38).

No Novo Testamento, a pessoa de Jesus faz referência ao Deus Eterno, o Deus do Antigo Testamento. Aquilo que poderia estar obscuro passa a se tornar mais claro à medida que conhecemos a Jesus:

"Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas [AT], nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo. Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas..." (Hebreus 1:1-3).

"Aceitar a Bíblia como a palavra divina é jogar a razão e o bom senso pela janela, dando lugar a ignorância e certezas infantis."

Daríamos lugar à ignorância e a certezas infantis caso não aceitássemos a Bíblia como palavra divina, logo após tê-la experimentado. Sim, jogaríamos a razão e o bom senso pela janela. Pois não é qualquer livro - e acredito que não haja outro comparável - que tenha tamanha UNIDADE*, autoridade nessa MENSAGEM anunciada - "Quem é Deus?" "Quem é o homem?" "Como funciona a salvação?" -, que tenha influenciado a história das civilizações (bilhões de vidas transformadas positivamente), que tenha as suas profecias cumpridas (quanto ao povo judeu, à terra de Israel, ao Messias e à Igreja que há no mundo inteiro), que apresente tamanha solidez**.

Enfim, tenho certeza de que muitas pessoas poderiam se enquadrar no perfil de "bilhões de vidas transformadas".

Creia na Palavra de Deus, viva pela fé, pois o objetivo principal dela é mantido por Aquele que jamais falhará!

Jônatha Bittencourt disse...

Enfim, caro Anônimo, de fato, as suas reinvindicações, seus protestos ou comentários (como quiser) são plausíveis à medida que você não crê nas verdades contidas na Bíblia.

Sem falar que a afirmação de que a Igreja católica divinizou Jesus é algo totalmente infundado - estude história antiga, historiadores confiáveis da época (podem ser os não cristãos, mesmo).

Mas digo que as afirmações que estão sendo colocadas são muito fracas, sinceramente. Pois, analisando melhor, qual a moral de alguém que encontra sentido em tentar "desmistificar" a fonte de alegria e paz de bilhões de pessoas? Não seria isso imoral?

Trata-se de uma questão de fé, como comentei anteriormente.

Para comprovar a inexistência de Deus ou até mesmo uma suposta "falácia" chamada Criacionismo, se o seu método for apegar-se à Ciência, estará falido. Não há experimentação que o faça comprovar tais prerrogativas, pois está operando no campo do "subjetivo", do "sobrenatural", campo à parte da Ciência.

O mesmo se enquadra à crença num Jesus não-bíblico: não passa de uma crença que é menos comprovada coerente e historicamente - basta sair à procura de documentos confiáveis. E se não falássemos em "dados e documentos", poderíamos trabalhar no campo "crença", algo não comprovável por meios naturais.

Compreende onde quero chegar?
Você precisa ter tanta fé quanto nós para crer que Deus não existe; insistir que a Bíblia não é divinamente inspirada - isso mesmo: e usando PESSOAS dedicadas a Ele para escrevê-la; que o Jesus bíblico é uma falácia. Tudo isso porque está no campo da fé, algo que foge de "experimentação". Existiria algum produto químico que pudesse verificar quão não-divinas são as mensagens bíblicas?

Mas o que deixo como instigação não é uma resposta maior do que tudo o que já escrevi - pois não responderei novamente (meu tempo impede tal atitude) -, mas algo a respeito da "fé": não espere pra entender as coisas depois que a morte chegar, elas podem ser resolvidas aqui e agora porque Jesus já resolveu-as, basta aceitá-las.

Qualquer coisa, a Juliana e a Gabriela estão aí.
Sinceramente, um fraterno abraço.

Anônimo disse...

Bom caro amigo Anônimo, a Bíblia é sim um livro histórico com relatos de um povo que acreditou em sua verdade e em que eu tambem acredito. As "profecias" como você falou, depende e muito da interpretação, sendo assim, como você não acredita, você deve ter interpretações precipitadas sobre a palavra, a qual precisa ser analisada e refletida, com cuidado e calma.
O Deus do antigo testamento (AT) é o mesmo do novo testamento (NT), você mesmo não deve gostar quando alguem promete algo para você e no final das contas não cumpri, foi o mesmo que aconteceu no AT, Ele so tinha pedido para não comer o fruto de uma unica arvore. E alem de tudo, quem daria seu próprio (Jesus no caso) para morrer no lugar de pessoas em que não acreditavam Nele (naquele tempo havia poucas).
Aconselho a você a ler a Bíblia sim, para você mesmo tirar suas proprias conclusoes sobre os livros, são realmente interessantes. Mas acredito que você ja deve ter lido algumas coisas sobre a mesma, mas tirou conclusoes, cmomo disse antes, precipitadas ou leu somente partes, o que a torna um poco confuso, pois você perde a linha tempo, pois o que escrito nela são sim fatos históricos que tem uma ordem de acontecimento.
E sem mais delongas, uma frase desse "Personagem fantastico" : "(...) você teve que ver para crer? Bem aventurados aqueles que não viram e creram (...)" João 20.29, da onde podemos tirar uma grande reflexão, ver para crer ou crer para ver???

Abraços e bjos
Belo trabalho gurias xD
Bruno - da van, o de sempre, para alguns catatau aushuashauhsaushausa XD
ps.: nao quis cria mais uma conta xD

Anônimo disse...

A questão é que eu passei de crente a ateu, e o estudo da Bíblia foi uma parte essencial dessa transformação.

Já li a Bíblia inteira, se querem tanto tocar nesse ponto, e não vejo mais verdade nela do que no Alcorão. E, aliás, esse último também transforma vidas e ensina um Deus para as pessoas.

A crença religiosa é superstição, só isso. Suas raízes podem ser estudadas e encontradas, basta querer.

É claro que eu gostaria de acreditar que há uma espécie de Divina Providência, que me guia, me auxilia, cuida de mim, etc. A religião busca e encontra sua força exatamente nisso: no conforto que proporciona para os mais difíceis dilemas dessa vida.

Mas ela também cria uma moral torta, ensina ódio e intolerância. Já pararam para imaginar um mundo sem religião?

Imagine, junto com John Lennon, um mundo sem religião. Imagine o mundo sem ataques suicidas, sem o 11/9, sem o 7/7 londrino, sem as Cruzadas, sem caça às bruxas, sem a Conspiração da Pólvora, sem a partição da Índia, sem as guerras entre israelenses e palestinos, sem massacres sérvios/croatas/muçulmanos, sem a perseguição de judeus como "assassinos de Cristo", sem os "problemas" da Irlanda do Norte, sem "assassinatos em nome da honra", sem evangélicos televisivos de terno brilhante e cabelo bufante tirando dinheiro dos ingênuos ("Deus quer que você doe até doer"). Imagine o mundo sem o Talibã para explodir estátuas antigas, sem decapitações públicas de blasfemos, sem o açoite da pele feminina pelo crime de ter se mostrado em um centímetro.

Esse é um sonho, que eu acho que a humanidade está caminhando para realizar. O próprio Cristo não quis fundar uma religião, ele apenas ensinou o amor. Sou ateu convicto, mas Cristo é para mim um referencial importante.

Como disse o físico americano e prémio Nobel Steven Weinberg, "a religião é um insulto à dignidade humana. Sem ela, teríamos gente boa fazendo coisas boas e gente ruim fazendo coisas ruins. Mas, para que gente boa faça coisas ruins, é preciso a religião".

Blaise Pascal disse algo parecido: "Os homens nunca fazem o mal tão plenamente e com tanto entusiasmo como quando o fazem por convicção religiosa".

Sim, a ciência não tem respostas para os enigmas que entrigam nossa espécie. Mas, citando Freud: "Nossa Ciência não é uma ilusão. Seria ilusão, porém, acreditar que pudéssemos conseguir em outra parte aquilo que ela não pode nos dar."

abs

juugrasel / gabijacomini disse...

Tudo bem, pode ficar tranquilo com a tua convicção, não somos ninguém pra fazer tu mudar de ideia...só não gasta o teu tempo argumentando as tuas crenças e tentando desmentir a nossa, pois certamente sera perda de tempo da tua parte...pois nós sabemos em quem temos crido e estamos bem certos de que Ele é poderoso! Abraço

Jônatha Bittencourt disse...

Bem, Anônimo(a), respeito tua liberdade de opinares respeitosamente. Foi legal, até certo ponto, a tua participação. Se não fosse anônimo seria melhor para estabelecer contato e trocar mais ideias - contrutivamente.

Grande abraço.

Anônimo disse...

Boa noite, pensei que o topico era sobre ler a Biblia, mas tudo bem...

ocorreu essas guerras sim por causa da religião, mas voce tem certeza que esse foi o principal motivo pelo qual essas guerras ocorreram? Tem certeza que nao foi mais por causa de assuntos politicos e da ganancia humana?

Deus nao queria criar uma religiao, tanto que o proprio Jesus diz isso, Ele queria que as pessoas se amassem, vivessem, se reipeitassem e crerem Nele. Foram os homens que criarao a religiao.

Acredito que Jesus foi e é o maior filosofo, administrador, professor ou qualquer coisa.

Tambem ja li a Biblia, tambem estudei a mesma, se voce me pergunta uma parte dele e pedir para eu falar o livro, nao vou saber, pois estudo é diferente de decorrar. E nao vi o mesmo Deus que voce viu.

Abraços e bjos.
Bruno - da van, o de sempre, para alguns catatau aushuashauhsaushausa XD